3 de outubro de 2009

O velho, o menino e a mulinha


O velho chamou o filho e disse:
- Vá ao pasto, pegue a mulinha e apronte-se para irmos à cidade, que quero vendê-la.
O menino foi e trouxe a mula. Passou-lhe a raspadeira, escovou-a e partiram os dois a pé, puxando-a pelo cabresto. Queriam que ela chegasse descansada para melhor impressionar os compradores.
De repente:
- Esta é boa! - exclamou um visitante ao avistá-los. - O animal vazio e o pobre velho a pé! Que despropósito! Será promessa, penitência ou caduquice?...
E lá se foi, a rir.
O velho achou que o viajante tinha razão e ordenou ao menino:
- Puxa a mula, meu filho! Eu vou montado e assim tapo a boca do mundo.
Tapar a boca do mundo, que bobagem! O velho compreendeu isso logo adiante, ao passar por um bando de lavadeiras ocupadas em bater roupa num córrego.
- Que graça! - exclamaram ela. - O marmanjão montado com todo o sossego e o pobre do menino a pé... Há cada pai malvado por este mundo de Cristo... Credo!...
O velho danou-se e, sem dizer palavra, fez sinal ao filho para que subisse à garupa.
- Quero só ver o que dizem agora...
Viu logo. O Izé Biriba, estafeta do correio, cruzou com eles e exclamou:
- Que idiotas! Querem vender o animal e montam os dois de uma vez... Assim, meu velho, o que chega à cidade não é mais a mulinha; é a sobra da mulinha...
- Ele tem toda razão, meu filho; precisamos não judiar do animal. Eu apeio e você, que é levezinho, vai montado.
Assim fizeram, e caminharam em paz um quilômetro, até o encontro dum sujeito que tirou o chapéu e saudou o pequeno respeitosamente.
- Bom dia, príncipe!
- Porque prícipe? - indagou o menino.
- É boa! Porque só príncipes andam assim de lacaio à rédea...
- Lacaio, eu? - esbravejou o velho. - Que desaforo! Desce, desce, meu filho e carreguemos o burro às costas. Talvez isso contente o mundo...
Nem assim. Um grupo de rapazes, vendo a estranha cavalgada, acudiu em tumulto com vaias:
- Hu! Hu! Olha a trempe de três burros, dois de dois pés e um de quatro! Resta saber qual dos três é o mais burro...
- Sou eu! - replicou o velho, arriando a carga. - Sou eu, porque venho há uma hora fazendo não que quero mas o que quer o mundo. Daqui em diante, porém, farei o que manda a consciência, pouco me importando que o mundo concorde ou não. Já que vi que morre doido quem procura contentar toda gente...


Monteiro Lobato


- A clareza do texto dispensa comentários.

4 comentários:

Alex Malta Raposo disse...

Parabéns pelo blog.

Estarei sempre visitando.

www.alexmaltta@blogspot.com

Pedro, Débora e Patrick disse...

Ok, Avelar, eu ia comentar, mas... "A clareza do texto dispensa comentários." kkkk
Sério, ótimo texto!
Nem Jesus agradou a todos, né? Quem somos nós, então?

Em Cristo,
Débora Silva Costa.
http://ferazao-bang.blogspot.com/

Avelar Jr. disse...

Gracias, pessoal!

Eu gosto muito desse texto.

E em breve teremos outros textos dos novos membros do blog.

Marcia Carvalho disse...

Eu conheci esse texto ainda na escola, na segunda ou terceira série do então chamado primário.

E desde aquela época percebi que seria impossível agradar a todos. Como a Débora disse aí em cima, nem Jesus conseguiu isso.

Bem, também acho que não precisa comentar mais nada... hehehe

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...