3 de novembro de 2012

Pedras falando e pedras rolando


"Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome. Nesse tempo muitos serão escandalizados, e trair-se-ão uns aos outros, e uns aos outros se odiarão. E surgirão muitos falsos profetas, e enganarão a muitos. E, por se multiplicar a iniqüidade, o amor de muitos esfriará." 
Mateus 24:9-12
"Tenho-vos dito estas coisas para que vos não escandalizeis. Expulsar-vos-ão das sinagogas; vem mesmo a hora em que qualquer que vos matar cuidará fazer um serviço a Deus. E isto vos farão, porque não conheceram ao Pai nem a mim. Mas tenho-vos dito isto, a fim de que, quando chegar aquela hora, vos lembreis de que já vo-lo tinha dito. E eu não vos disse isto desde o princípio, porque estava convosco."  
João 16:1-4
"E disseram-lhe [a Jesus] de entre a multidão alguns dos fariseus: Mestre, repreende os teus discípulos. E, respondendo ele, disse-lhes: Digo-vos que, se estes se calarem, as próprias pedras clamarão."
Lucas 19:39-40 


Os brasileiros estão cultivando o evangelho que merecem. Por isso não vemos conversões legítimas e impactantes proporcionais à taxa de crescimento dos evangélicos. Quando os ateus nos criticam dizendo que se tivermos um governo evangélico teremos uma ditadura sem liberdades, eu devo concordar. Nosso problema é tão sério que até as pedras estão clamando; porque, quando os de dentro falam, logo o povo gado evangélico os trata da mesma forma que o povo de Israel, distante de Deus, tratava seus profetas: pedradas, ofensas, ameaças e [só falta isto:] morte. E isto não me surpreende nem um pouco, pois quem segue a Cristo deve saber que estar aqui por Jesus é estar aqui para isso.

6 de outubro de 2012

Como marcar sua Bíblia - Dicas


Evite utilizar caneta esferográfica, hidrográfica ou marca-texto. O papel da Bíblia, normalmente, é um papel fininho, então, com o tempo, a tinta vai infiltrar e atravessar a folha. Ou seja, você marca o versículo que queria e o de trás, que não queria. Esse efeito é instantâneo com hidrográfica ou marca-texto, que molham a folha, infiltram e pintam muito mais que o pretendido. Use lápis, lapiseira, lápis de cor ou giz de cera, é mais preciso e seguro – e em alguns casos, é apagável.

[Eu, particularmente uso giz de cera e lapiseira com grafite 0,5 mm. Existem embalagens de giz de cera com 15 cores ou mais, o que é muito bom. E o grafite 0,5 combina melhor com letra pequena.]

Minha Bíblia marcada com o sistema de ícones e cores que detalho abaixo
Defina um critério de cores para cada assunto ou grupo de assuntos. Utilize várias cores contrastantes. Usando uma cor só, você terá mais trabalho para encontrar o verso rapidamente numa posterior consulta. A cor amarela é mais difícil de enxergar sob certas condições de luz. Também é possível fazer também uma pintura degradê.

Faça marcações diferentes, alternando entre cores, sublinhados e ícones. Você pode criar ícones e colori-los de uma só cor. Usando sublinhados, você poderá criar vários tipos: dupla, pontilhada, tracejada, ziguezague, reta, ondulada, cruzada etc. Sim, para não marcar todas as linhas de um verso, você pode fazer uma borda lateral vertical nele, ou mesmo emoldurá-lo, deixando espaço para ícones, no caso de querer combinar marcações. Porém, cuidado: se você usar várias cores e tipos de marcação em pouco espaço, vai poluir a visão do texto, atrapalhando a leitura, sem contar que a estética não ficará boa. ...Mas a Bíblia é sua, lembre-se disso!

Você pode optar por marcar: as margens ao invés do texto que está junto; o subtítulo, ao invés de um trecho ou de um texto inteiro; ou o número do capítulo, dependendo do alcance da marcação.

Crie referências cruzadas a lápis junto a versículos, conforme a sua necessidade. Para isso você deve dispor de um mínimo de espaço e de uma letra pequenina. Algumas Bíblias têm margens próprias para anotações ao lado, acima e/ou sob o texto, mas essas são volumosas e difíceis de encontrar. Algumas, ainda, oferecem umas folhas em branco no final. Caso a sua Bíblia não tenha nada disso, você pode fazer um bloquinho sanfonado de anotações a partir de uma tira do tamanho da página, e colar na parte interna de trás.

Como marquei minha Bíblia

Para mim, era importante marcá-la levando em conta as doutrinas principais da teologia cristã (salvação pela graça e evangelho, pecado, igreja, homem, Deus, Jesus, Trindade, anjos, cruz de Cristo, divindade de Cristo...), porque ajuda muito na hora de encontrar referências para defesa da fé e para a preparação de textos, aulas etc. Então, eu criei uma tirinha com relevos de ícones muito simples, cada um com cerca de 0,5 cm de altura/largura. Inventei, também, um sistema de cores para combinar com eles, para que pudessem ser reutilizados em outras passagens alterando seus significados. Assim, um anjo seria simbolizado pelo ícone do anjo azul, que lembra o céu; e um demônio ou Satanás seria simbolizado pelo anjo laranja, que lembra o lago de fogo.

Eu prefiro usar giz de cera e lápis para marcar, e utilizo o seguinte esquema:

Forma
Cor
Significado
Anjo
Azul
Anjo de Deus
Anjo
Laranja
Demônio, Satanás
Livro aberto
Marrom
Bíblia, palavra de Deus, inspiração
Sol
Laranja
Deus, pois o Senhor é sol e escudo (Salmo 84.11)
Coroa
Amarela
Jesus
Coroa
Vermelha
Atributos de divindade e Senhorio de Jesus
Chama
Amarela
Espírito Santo, como língua de fogo
Triângulo
Azul
Trindade
Caixa de Presente
Vermelha
Graça, salvação, dom
Asa
Verde
Libertação, evangelho, fé, arrependimento
Cruz
Marrom
Morte de Jesus, discipulado, sofrimento
Pac-man
Vermelho-escuro
Pecado, maldade (ideia vem de gula, egoísmo)
Número 1
Verde-claro
Unidade, cargos, igreja, ordenanças
Seta
Azul
Acontecimento escatológico alegre
Seta
Preta
Acontecimento escatológico triste

____________________________________________________

Como eu fiz as forminhas de ícones que utilizei

Material necessário
Material:
  • Papel grosso e maleável;
  • Papel de cor clara, mais fino, de preferência, que o acima; 
  • Caneta, lapiseira, borracha; 
  • Tesoura; 
  • Régua; 
  • Cola
  • Giz de cera (quanto mais cores, melhor).

1
Desenhe na cartolina pequenas formas, que serão seus ícones. Pinte-os de preto (ou de outra cor forte e escura) e recorte-os [1]. 

[Observação: O passo-a-passo foi feito em escala maior, para facilitar a fotografia e a visualização.]


2
Faça uma tira branca de cartolina com pelo menos 1,5 cm de largura. Não recorte ainda, pois o comprimento dependerá de quantos ícones você tiver feito e do tamanho deles.

Cole todos os ícones numa tira de cartolina, de cima para baixo, deixando um espaço de pelo menos 0,5 cm entre eles [2]. O ideal é que a tira seja de um papel mais fino que o dos ícones.


3
Depois de todos colados na tira, recorte-a. Ela servirá também como marcador de página [3]. 








4
Para usá-la, posicione-a, com os desenhos voltados para cima, sobre a folha de trás da que você pretende marcar, tomando o cuidado de que o ícone esteja do lado do texto a ser marcado. Passe a lateral do giz de cera como se fosse um rolo de espalhar massa. A cor destacará o ítem que está abaixo, formando o desenho ao lado do texto. Pronto [4].



5
A cor escura dos ícones na tira clara facilita enxergá-los através da folha fina da Bíblia, para que você não posicione o desenho no lugar errado. 

[No caso aqui complicou justamente porque usei papel reciclado, ao invés de papel branco.] 

É importante lembrar: 

  • Para cortar os ícones em tamanho pequeno, você pode (deve) usar estilete, porque o corte tem que ser mais preciso. 
  • Quanto mais grosso for o papel dos símbolos, melhor, porque eles vão ficar mais nítidos na marcação; porém, vai dar mais trabalho para cortar. Eu já usei papel de fichas catalográficas e papel cartão.
  • Pense em formas simples e geométricas, justamente porque o corte das figuras é o que dá mais trabalho.
  • No caso de fazer pequenas formas circulares, você pode usar um perfurador para cortar: basta abri-lo embaixo para retirar os pequenos círculos.
[!] Este não é um texto exaustivo. Talvez vocês tenham dúvidas e sugestões, e eu ficarei muito contente de ouvi-las, basta mandar um comentário. Se for necessário, vou continuar atualizando e melhorando a postagem.

Um pedido: Eu estive pesquisando na internet e não achei nada muito útil sobre dicas para marcar a Bíblia. Eu escrevi este texto porque alguns amigos insistiram. E vocês não imaginam o trabalho que deu fazer esta postagem! Então peço, encarecidamente, que se vocês forem repostá-lo ou divulgá-lo nos seus blogs, mencionem a autoria e coloquem um link para a postagem aqui no meu blog. Só assim eu poderei dar respostas  a comentários e melhorar este trabalho. Grato desde já. Que Deus abençoe a todos nós, e nos ajude a ser obreiros aprovados!

"Quanto a você, porém, permaneça nas coisas que aprendeu e das quais tem convicção, pois você sabe de quem o aprendeu. Porque desde criança você conhece as sagradas letras, que são capazes de torná-lo sábio para a salvação mediante a fé em Cristo Jesus. Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça, para que o homem de Deus seja apto e plenamente preparado para toda boa obra."
– 2 Timóteo 3:14-17, NVI.    

26 de setembro de 2012

Já não se fazem mais profetas como antigamente


“Sim, estou contra os que profetizam sonhos falsos", declara o Senhor. "Eles os relatam e com as suas mentiras irresponsáveis desviam o meu povo. Eu não os enviei nem lhes autorizei; e eles não trazem benefício algum a este povo", declara o Senhor.” – Jeremias 23:32

Dia desses conversamos na escola dominical sobre os problemas que os “profetas” atuais causam no meio cristão, considerando que o uso desse termo, todo revestido de autoridade, encontra-se bastante desgastado entre os evangélicos, levando a equívocos e desvios doutrinários.

Profeta Jeremias, de Michelângelo
Para começar, precisamos conceituar o que seria um “profeta”. Basicamente existem dois tipos: aqueles a quem a vontade de Deus era revelada, que foram guiados a serem suas testemunhas junto ao povo de Israel, transmitindo-lhes revelações, que incluíam alertas, condenações, encorajamento e previsões de acontecimentos futuros, que foram registrados na Bíblia. Também existem os profetas encarregados de falar em nome de Deus, como meras testemunhas, proclamadores da palavra que já foi revelada antes, sem nenhuma previsão futurista. Nesta acepção, todo crente nascido de novo é um “profeta”, pois deve testemunhar de Jesus, fazendo discípulos e transmitindo-lhes seus ensinos.

Hoje em dia, é comum demais falar-se em “profecias”, ainda que não haja nelas nada de relevante e verdadeiro a se comunicar. E, olhando de perto, várias delas falham em se ajustar aos padrões descritos nas Escrituras, em matéria de veracidade, doutrina e testemunho.

Na Bíblia, percebemos que os profetas nunca foram conhecidos ou julgados pelos bens materiais que possuíam. E, em geral, ao contrário dos muitos intitulados “profetas” de nossa época, que ostentam patrimônios bem superiores aos de seus correligionários, eram pessoas pobres, simples, trabalhadoras, que não detinham cargos elevados, eram submissos a lideranças, participavam ativamente dos eventos importantes do seu povo, não negociavam seus serviços, viviam em comunidades, alguns eram celibatários, não detinham legiões de admiradores e não se omitiam em condenar os erros cometidos por seus governantes – mesmo que isso pudesse lhes custar os bens, a reputação ou a vida, como fez Natã, Samuel e João Batista. Contrariamente, a geração “profética” de hoje usa seus talentos e oportunidades junto às autoridades do país, com as quais flertam, imiscuindo-se na política e no poder estatal, bajulando detentores de cargos públicos e pessoas famosas de seu interesse, com o intuito de ganhar reconhecimentos, honrarias ou algum lucro, como fez Geazi (2 Reis 5).

A coragem dos profetas de antigamente era tal que chegavam a encarar sua missão mesmo sabendo que ela não traria conversões em massa, como no caso de Jeremias, que foi testemunha em franca oposição ao povo ímpio de seu tempo, sendo alertado por Deus que este não iria se converter (Jeremias 7.27). Sendo assim, não podemos esperar que alguém fosse profeta por vontade própria ou, ainda, que fosse auferir lucros com sua atividade, quando esta era uma atividade que trazia antipatia da sociedade ao redor. O profeta exercia um ministério legítimo, decorrente da autoridade de Deus, da obediência à sua palavra, com o dever de proclamar a verdade desprezada pelas massas, tomando posição e sabendo que nem sempre trará números vistosos de pessoas aos apriscos celestiais.

Houve tempos em que Deus não levantou profetas, como antes do início do ministério de Samuel, onde a profecia era rara (1 Sm 3.1); e no período intertestamentário, conhecido como o período do “silêncio profético”, que se estendeu até a vinda de João Batista. Estes porta-vozes dos oráculos divinos sempre traziam consigo uma mensagem importante da parte de Deus para todo o povo, uma revelação da vontade divina.

Nem todos os profetas operavam milagres; João Batista, por exemplo, não realizou nenhum, mas foi considerado o maior dentre os nascidos de mulher, nas palavras de Jesus Cristo (Lucas 7.28). Daí percebemos que tampouco os milagres são fator determinante da importância de seu ofício.

Ninguém precisa vasculhar muito os vídeos postados na internet para comprovar que muitos “ministros” se utilizam de alegadas “revelações” dadas em causa própria, a fim de se defender de críticas fundadas aos seus “ministérios”—principalmente após condutas suas que escandalizam setores do povo de Deus que realmente se preocupam com o bom testemunho dos de fora, e com a imagem do evangelho (e que geralmente são tachados discriminatoriamente de “religiosos”, como se ser religioso fosse uma coisa desabonadora ou vexatória). Não contemplo, no entanto, os profetas de Deus nas Escrituras lamuriando-se como crianças mimadas ou utilizando-se de revelações com fim lucrativo direto ou indireto. Parece-me claro que as revelações eram dadas no interesse de Deus ou de Seu povo, não no interesse exclusivo do próprio profeta.

Se era tão difícil se levantar um profeta entre o povo de Deus que recebesse um oráculo divino na época do Velho Testamento, levando em conta a necessidade (porque a Bíblia não estava pronta e não tinha o formato atual, portanto, a palavra de Deus não era tão acessível ao povo como hoje) – e, mesmo no Novo Testamento, não se vê muito falar em profetas como pessoas tão extraordinárias... Por que hoje, com o pleno acesso que temos às Escrituras, que contêm toda a revelação necessária para o conhecimento do evangelho, da vontade de Deus e de como viver uma vida piedosa, Deus estaria levantando profetas para fazer o que vemos hoje?

E a que me refiro quando digo “o que vemos hoje”? Creio que nunca antes o ego humano conseguiu parir um enxame dessa magnitude, com tantas pessoas que se acham importantíssimas e “profetas” (algumas talvez se achem até essenciais ou messiânicas); que alegam ser detentoras de “revelações”; muitas das quais, quando não são coisas reveladas há séculos nas Escrituras, tratam-se de coisas óbvias, desimportantes, patéticas e descabidas.

Engraçado que, ao contrário do que acontece hoje, os profetas das Escrituras, parece-me, não viviam profetizando e recebendo oráculos vinte e quatro horas por dia e sete dias por semana, despejando verborragias divinas. É o caso, por exemplo, de Jeremias, Ezequiel, Isaías e Daniel, os quais até registravam a data de algumas revelações ou visões recebidas, tipo: “nos dias do rei fulano de tal”, “no sétimo mês do ano tal”, “no décimo-terceiro ano do reinado de beltrano”...

Há pretensos ministros hoje que se gabam de ter revelações enquanto tomam banho, lavam o cachorro, jogam o lixo fora, enquanto, sei lá, fazem as necessidades... dizem que o “Espírito Santo” vive cochichando no ouvido... quase de cinco em cinco minutos! É tanta revelação se atropelando e caindo por cima uma das outras, que é quase como se tais profetas chegassem ao cúmulo de se ter de organizar os momentos “revelacionais” por ordem de chegada: “Dona Visão, aguarde aí só um minutinho na linha 2, é que estou ocupado recebendo a Senhora Revelação agora. Por gentileza, peço que aguarde, pois seu contato é muito importante para todos nós; e, em seguida, queira, por favor, avaliar a qualidade do nosso atendimento...”. Eu imagino a abundante maturidade de alguém que depende de revelações a cada minuto para poder viver a vida... E para guiar outras vidas?

E o pior é que os conteúdos são tão superficiais e sem substância para a vida prática da igreja cristã, do país... que eu não consigo associar tais coisas com pessoas sérias (imagine eu acreditar que vêm de Deus!). Essas “pérolas” oscilam entre coisas como “com que bota eu vou”, “que demônio vamos expulsar”, “onde a gente unge a calçada”, coisas incompletas... Não raramente, além do ridículo, vêm as heresias e os escândalos causados, que dividem opiniões dentro da igreja desnecessariamente... E quem lucra com coisa assim?

Penso, ainda, que alguns ministros evangélicos que alardeiam suas composições como “reveladas por Deus” pretendem, muitas vezes, criar certa aura de incontestabilidade, de inquestionabilidade, louvor que não é fruto de mérito, para evitar que suas canções, apresentações, letras, melodias ou ensinos, por vezes medíocres, sejam alvos de avaliações desfavoráveis por parte de quem encontre nelas algum desvio doutrinário, ou mesmo de quem não considere sua obra algo recomendável. Nesse caso, a alegada “inspiração divina” não passa de meio ardiloso para encobrir falhas e incompetência. Pois quem ousaria questionar uma coisa "vinda de Deus”? Na certa, a razão de quem segue estilo de vida assim se encontre no amor próprio, não na espiritualidade cristã; pois esta busca a sabedoria e a correção, a fim de alcançar a maturidade plena e a glória de Deus, encontrando no temor do Senhor o princípio da sabedoria.

Convém ressaltar, inclusive, que alguns defendem a autoridade de supostos profetas apenas pelo fato de que falam em nome de Deus. Mas este não é um critério suficiente. Deus, tanto no Antigo quanto no Novo Testamento, é claro em afirmar que as profecias devem ser provadas, oferecendo-nos alguns critérios; Jesus adverte que muitos virão em seu nome; Paulo diz que lobos vorazes sairiam do nosso meio (do meio da igreja). Logicamente um desses critérios de avaliação é o de que Deus não pode se contradizer. É um critério lógico. Ou Deus negaria a Si mesmo. Logo, é responsabilidade de todos nós conhecermos as Escrituras, que testemunham de Jesus e trazem as ferramentas necessárias para que sejamos obreiros perfeitos, aprovados por Deus, para que possamos julgar as profecias, obedecendo a Ele. (Também vale a pena ver alguns critérios para conferir a verdade de um profeta ou profecia em Deuteronômio caps. 18 e 13).

Algo que também precisa ser dito é que alguns crentes baseiam sua fé no princípio errôneo de que os fins justificam os meios. Ou seja: deu certo ou parece certo o que disse alguém, tal pessoa é, de fato, de Deus. Para exemplificar, lembro-me de que uma vez discutindo com um irmãozinho raivoso em uma comunidade no Orkut, ele me disse que apenas pessoas de Deus poderiam profetizar em nome dele. Mas ele nada disse depois que lhe mostrei que Balaão (que alude a um sinal do nascimento de Jesus, em Números 24.17) e Caifás (que profetizou a morte de Jesus pela nação dos judeus em João 11.49-51), os quais não eram pessoas que andavam segundo a vontade de Deus, profetizaram a respeito de planos d’Ele.

Algo que me assusta na avalanche de “profecias” que tenho visto é o excessivo otimismo que elas trazem e a ingenuidade com que contam para vingar. Sem contar a desconsideração pelos princípios mais basilares do evangelho, e a falta de resultados úteis e palpáveis também, como: 
  • as “profetadas” de várias celebridades gospel do fim do Carnaval (que, infelizmente, segue “bombando”); 
  • a veiculação de novelas gospel na TV (para entreter crentes empolgadinhos que pensam que as pessoas assistem a novelas para serem “evangelizadas”? Para massagear o ego dos crentes/denominações evangélicas, que podem se promover, vender sua marca institucional e lucrar com isso? Na maior parte do tempo a programação evangélica na TV tem sido vexatória, não mostrando de nada mais do que a mera exploração financeira de incautos.); 
  • oferecimento de mechas de cabelo como sacrifício pelos pecados, como se o sacrifício de Jesus na cruz não tivesse valido nada (e, não bastasse a bizarrice, de pecados de pessoas vivas e falecidas); 
  • a investida massiva da mídia pelos evangélicos (isso nem é profecia, é uma obviedade: se o número de evangélicos aumenta, a audiência segue, logo, seu tempo na TV acompanha o seu crescimento para poder atendê-los. E já faz tempo que existem horários comprados por igrejas na TV, que dão audiência. E alguém já contou quantas rádios evangélicas existem?); 
  • números exorbitantes de conversão a igrejas evangélicas por meio de... evangelização? Não, de “atos proféticos”! (“atos proféticos”, para quem não conhece o termo, é uma espécie de “simpatia”, “macumba gospel” – ver nota com algumas definições extraídas de um dicionário no final do texto – que, por mais que queiram definir com termos bíblicos e bonitinhos, não deixam de ser tentativas de influenciar Deus a mudar a realidade através de rituais simbólicos. Para acreditar nisso, você deve supor que Deus não acha suficiente que a gente ore e trabalhe para alcançar algo, que as pessoas se convertem pelo simples desempenho humano, que Deus é caprichoso, volúvel e influenciado a executar a própria vontade quando se praticam “atos proféticos”... Não vejo lógica alguma nisso hoje, pois torna o Deus soberano uma ferramenta eclesiástica. Já me mostraram supostos "exemplos bíblicos de atos proféticos", mas, ou eles são meras ocasiões em que alguém simplesmente obedece a uma ordem dada por Deus a fim de testemunhar simbolicamente algo que já está determinado para acontecer, ou outra coisa. Já disseram que a Santa Ceia é um exemplo de "ato profético", mas, na verdade, é uma "ordenança", um ritual; ela não transforma a realidade. Só seria "profética" no sentido de testemunhar a morte de Cristo; mas se fosse "profética" por ser assim, cultos, ordenanças, cantos, tudo viraria exemplo de "ato profético", difícil seria ter algo que não fosse um...); 
  • crentes urinando em postes e lugares estratégicos, como fazem os cachorros, ou ungindo-os, a fim de “demarcar território para Deus”; 
  • mudança dos elementos da ceia (que foram instituídos pelo próprio Cristo, e constam na Bíblia);
  • expulsão de entidades do candomblé de existência duvidosa (digo isto porque acredito que nem os próprios adeptos desta ou de outras religiões assemelhadas devam crer na existência de “entidades” que os crentes inventam e lhes atribuem, para poder anunciar que vão exorcizá-las)...

Certamente haverá leitores ao ler esse texto e vão pensar “nossa, os crentes hoje estão assim?!” Não, caro leitor, claro que não! Acontece coisa assim no meio dos evangélicos, sim; porém, são eventos bastante isolados, que ganham repercussão na mídia por serem polêmicos e sensacionalistas. Nada dessas esquisitices tem a ver com o evangelho. Mesmo que usem termos e roupagem evangélica; mesmo que venham de pessoas que se digam evangélicas; mesmo que aconteça em templos e eventos que se digam evangélicos. Evangélico de verdade é quem vive o que Jesus ensinou, não todo aquele que sai dizendo que é; pois, quem tem boca diz o que quer. Estão aí os falsos profetas que não me deixam mentir. E os verdadeiros também.

Sim, retornando à pergunta que fiz anteriormente: “por que hoje, com o pleno acesso que temos às Escrituras, que contêm toda a revelação necessária para o conhecimento do evangelho, da vontade de Deus e de como viver uma vida piedosa, Deus estaria levantando profetas para fazer o que vemos hoje?” Deixo-lhes com duas passagens bíblicas:


“Em primeiro lugar, ouço que, quando vocês se reúnem como igreja, há divisões entre vocês, e até certo ponto eu o creio. Pois é necessário que haja divergências entre vocês, para que sejam conhecidos quais dentre vocês são aprovados.” – 1 Coríntios 11:18-19 NVI

“Se aparecer entre vocês um profeta ou alguém que faz predições por meio de sonhos e lhes anunciar um sinal miraculoso ou um prodígio, e se o sinal ou prodígio de que ele falou acontecer, e ele disser: "Vamos seguir outros deuses que vocês não conhecem e vamos adorá-los", não dêem ouvidos às palavras daquele profeta ou sonhador. O Senhor, o seu Deus, está pondo vocês à prova para ver se o amam de todo o coração e de toda a alma.” – Deuteronômio 13:1-3 NVI
___________________________________________________________

Extraídos do dicionário Míni HOUAISS:

Simpatia - B. prática supersticiosa us. como proteção ou para conseguir algo.

Magia - arte, ciência ou prática de produzir, por meios ocultos, fenômenos inexplicáveis ou que pareçam inexplicáveis; 2. p. ext. o efeito dessa arte ou prática;

Trabalho - 6. REL. em cultos afro-brasileiros, prática ritual que visa obter auxílio, proteção ou conquista de algum desejo.

22 de setembro de 2012

Por que o frango atravessou a rua? (2) Pessoas religiosas e famosas; ideologias e políticos.

-- Esta é a segunda parte de uma coletânea que criei, há alguns anos, num tópico de respostas criativas para a pergunta "por que o frango atravessou a rua?", de uma comunidade do Orkut. Não atualizei todas, portanto algumas respostas podem estar defasadas para o contexto presente, o que pode prejudicar o entendimento (e a graça de alguma piada implícita). Não levem a sério; isto é para diversão, não é para ofender ninguém.

Padre Zezinho:

O frango não troca sua fé por outra fé, e por isso cantava: 
"que a ninhada comece e termine sabendo aonde vai / e que o frango carregue no bico o sorriso de um pai / que a franga dê um monte de ovo, ciscada e calor / e que os pintos só cruzem a rua em nome do amor."

Inri Cristo:

(Sobe num pedestal quadrado azul enquanto é glorificado pelas torcedoras do Grêmio, que o seguem): "Ar Ghalinha foi atRravessar a roa para cuidar do poleiro do (quase tossindo) "Mheu Pai". Mas eu não toquei no Ghalinha por que se não ela poderia ser abençoado (olha para cima, com os olhos emocionados e as mãos levantadas em gratidão). Mas eu estar aqui do outro lado da rua para assistir ao fim do galinheiro. 

Papa:

Para assistir à Missa do Galo.

Romeiros do Juazeiro:

Mamãe me dizia que Padim Ciço já dizia, naqueles tempo, que ia chegá uns dia que nós fechasse as porta porque os frango ia ficá doido e começá a atravessá as rua oferecendo um terço de ouro nas casa, mas besta quem fosse aceitá os terço dos frango.

Neuza Itioka:

Ele estava ungindo a rua, demarcando galinheiros para o Senhor.

Marcos Feliciano

Foi copiar minha escova progressiva no meu cabeleireiro.

Ana Paula Valadão:

Ele vai pôr um ovo, representando profeticamente a restauração do Brasil, esta nação escolhida por Deus. Rooooooooooooooooou! Ele vai derramar azeite, leite, mel, 
azeite, leite, mel, 
azeite, leite, mel, 
azeite, leite, e meeeeeeEEEEEEEEEeeeeeEEEEEEEEeeeeeel; e fechar todos os bordéis, acabar com a prostituição, ser um canal de bênçãooooooooooooos; ele vai nadaaaaaaaaar, flutuaaaaaaaaaaaaar, fluiIIIIiiiiiiiiIIIIIIiiiiiir e gritaaaaAAAAAAAaaaar que o Brasil é do Senhor! Rooooooooooooooooooooooooooooooooou.


Ideologias


Frango Ambiental:

Para protestar contra o aquecimento global.

Frango LGBT:

Ele não atravessou: chamou peruas, patas e a galinhada toda, e organizaram uma parada gigantesca, que passou pelo centro da cidade, trazendo luzes, plumas, purpurina, músicas e todas as cores do arco-íris, além de galos com peitorais e abdômens bem definidos que rebolavam ao som de "Dancing Chicken". No frigir dos ovos, a festa foi uma loucura, um arraso, e teve cobertura da mídia, que, contagiada por tanta alegria, começou a soltar a franga sem preconceitos, vestida com penas altamente fashions.

Lula:

Para partifipar dos meus pograma fociais, espefialmente o Fome Zero; porque ele dormirá seliz se cada galinheiro tifer três porfões de ração por dia.

Bush:
- That chicken will never scape the justice of this nation! He won't keep hiding massive-destriction eggs.
Cock bless America!

Tony Blair depois de Bush:

- Amen!

Dilma:

A franga, no que se refere à estrada, atravessou a rua; e no que se refere à calçada, foi para chegar do outro lado.

Governo Federal:

Ele foi distribuir preservativos e cartilhas que ensinam a botar ovos para os pintinhos da escola.

Remédios constitucionais:

Para impetrar um Habeas Corpus liberatório com o escopo de soltar a franga.

15 de setembro de 2012

Por que o frango atravessou a rua? Respostas religiosas.


-- Esta é a primeira parte de uma coletânea que criei, há alguns anos, num tópico de respostas criativas para a pergunta "por que o frango atravessou a rua?",  de uma comunidade do Orkut. Não atualizei todas, portanto algumas respostas podem estar defasadas para o contexto presente, o que pode prejudicar o entendimento (e a graça de alguma piada implícita). Não levem a sério; isto é para diversão, não é para ofender ninguém. 

Frango budista:

Para cruzar a estrada das oito virtudes rumo ao Galivana:
Bico perfeito;
ovo perfeito;
cacarejar perfeito;
canto de galo perfeito;
ciscada perfeita;
vôo perfeito;
pluma perfeita;
milho perfeito;

Galo hindu:

Não existe galo, não existe estrada; não existe omelete; não existe ovo. Tudo é uma só realidade, ou melhor, aparência de realidade, uma ilusão aos nossos sentidos; Todos somos uma só realidade implume.

Galo kardecista:

Está apenas seguindo as instruções das galinhas de luz que já passaram para a outra calçada, porque sem caridade não há salvação.

Frango carola antigo:

Eu nasci nessa rua, minha mãe me chocou e me criou nessa rua desde pequena, e eu vou morrer nessa rua. Não troco minha rua por outra rua.

Galo xintoísta:

O honorável frango atravessou a rua para prestar respeito aos seus ancestrais, participando da cerimônia do caldo de ovo.

Galo evangélico brasileiro:

Não atravessa a rua; ele fica rodando, ciscando, fazendo marchas, cantando Diante do Poleiro, Arrebatados Remix, assistindo a Conexão Gospel, ao especial Promessas e ainda é ungido com azeite de dendê!

Galo ateu:

Não existe o outro lado da rua, portanto é uma atitude totalmente inútil.

Galo pluralista/ecumênico:

Foi estabelecer um diálogo intergalinhoso, porque acredita que todas as calçadas levam ao único Criador de galinhas.

Galo adventista do sétimo dia:

Atravessou a rua porque não era sábado.

Frango xiita:

Era um frango-bomba, na certa ia explodir um galinheiro de galinhas judias e morrer pela causa da submissão galinácea.

Galinha-satã:

Anda ao derredor procurando um frango a quem devorar.

Galinha batista regular:

Para fugir de uma igreja onde tocam bateria, baixo e guitarra distorcida; dependendo da igreja dela, quem sabe, ele fugia dos corinhos, das palmas, da coreografia...

Frango da Renascer:

Foi preso do outro lado da rua com ovos dentro da Bíblia e gritando "Espada pelo frango, espada pela estrada e espada pelas calçadas até morrer!"

Frango testemunha-de-Jeová:

Para cumprir o serviço do galinheiro do reino, tem outras portas de galinheiro para bater do outro lado da rua. Ele aguarda o estabelecimento de um galinheiro paradisíaco, com muito milho e frangas sorrindo.

Galo Universal:

Ele estava cansado de sofrer, já tinha procurado todo tipo de galinheiro, e diziam que o ovo não saía porque era uma provação. Ele cruzou a rua porque aceitou o desafio e veio para a sessão de des-ovo, agora a vida dele mudou e ele foi liberto.

10 de setembro de 2012

Propaganda Eleitoral Gratuita com Músicas Gospel

Como estamos em plena campanha eleitoral, e eu encontrei esse vídeo criativo e interessante, decidi compartilhá-lo com vocês. Como seria um horário eleitoral gratuito "gospel"? Bem, em algumas igrejas em que a liderança não zela muito pelos princípios cristãos, onde o púlpito deixa de ser utilizado para a glória de Deus e para a proclamação do evangelho, passando a ser plataforma de promoção pessoal, infelizmente, você já deve ter visto um. Mas, para quem não faz ideia, segue abaixo uma paródia bem legalzinha. 

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...