18 de maio de 2011

A Bíblia em Mangá – O Velho Testamento. Resenha.



Há muito tempo eu havia visto uma matéria sobre o lançamento de "The Manga* Bible" (A Bíblia em Mangá). Lembro-me de que dei uma olhada em algumas páginas disponíveis na Amazon.com e achei a ideia muito legal. Eu torcia para que ela fosse traduzida para o português. Por não ter olhado os dados da publicação, eu pensava ser uma Bíblia de verdade, mas com algumas passagens ilustradas em estilo mangá em determinadas páginas.

Tratava-se, porém, de uma HQ mesmo. Achei melhor ainda, por constituir uma obra mais independente, que pode ser avaliada sozinha e por seus próprios méritos, e capaz de tornar a Bíblia um livro mais acessível ao público não-religioso e fã de quadrinhos.

Enfim, esses dias eu estava navegando pela sessão de HQs de uma grande loja virtual, e qual não foi minha surpresa de encontrar a Bíblia em Mangá em português! Fiquei muito contente. Mas lamentei a falta de uma resenha mais detalhada que tirasse minhas dúvidas sobre o produto, ou mesmo umas páginas para ler. Comprei os dois volumes e decidi fazer minha própria avaliação, já que em vários sites ninguém fez.

A primeira crítica que eu tenho é por terem lançado a “Bíblia em Mangá” em 2 volumes, ao contrário da versão em inglês, de volume único. No caso brasileiro, deveria-se chamar “Velho” ou “Novo Testamento em Mangá”, por não ser a “Bíblia” completa.

Ontem li o mangá do Velho Testemento. E minha análise específica do volume segue abaixo.

A história é bem adaptada, resumida e bem contada, alternando algumas histórias paralelas ao longo da principal. Por exemplo: a criação, a vida dos patriarcas e a saída do Egito são postas como Moisés narrando esses relatos às crianças no deserto, como se ele fosse um professor de EBD ensinando isto durante o Êxodo. Achei uma bela sacada dos autores. E, lá na frente, o fluxo da história principal é suspenso para contar sobre Jó e Rute.

Teologicamente, não vi problema algum – recomendadíssima.

Tem todos os livros da Bíblia resumidos? Não. Seria demais querer isto num volume fininho e em menos de 150 páginas (reparem que o livro tem pouco mais de 150). Além da narrativa, há extras como biografias dos autores e entrevistas com eles, o que é interessante para o leitor e amante de mangás.

Ah, mas tem os livros de Tobias, Judite e Macabeus? Não, não tem. A história leva em conta o cânon de 39 livros, adotado pelos judeus e pelas igrejas protestantes, e pela própria Igreja Católica Romana antes da Contra-Reforma. Como dito acima, a história é resumida e não contempla todos os livros, apenas o essencial da história. Tchau, Ester!

O traço do autor é veloz, energético e, por vezes, caricato ou sensível, dependendo da gravidade ou leveza do relato. E a história é apresentada de forma dinâmica. Além do mais, são incluídas referências para o caso de você sentir curiosidade de acompanhar a história na Bíblia – muito bom!

Como ninguém é perfeito, aqui vão as falhascom relação à versão bíblica base adotada... Embora os dados bibliográficos do livro mencionem a “Nova Versão Internacional para o Dia de Hoje”, edição de 2004, esta versão simplesmente não existe em português! Os dados do livro em inglês referem-se mesmo à “Today’s New International Version” da Sociedade Bíblica Internacional, mas não existe equivalente em português. Ou seja, traduziram os dados bibliográficos tais e quais, mas não tiveram o cuidado de utilizarem-se de uma versão corrente em português, que, no caso, obviamente, apontaria para a NVI.

O que fica claro é que não devem ter usado versão alguma, mesmo constando lá que sim, a julgar pelos muitos erros de concordância que o texto apresenta e pelos enfadonhos “vós” e “tus”, que aparecem constantemente com conjugações erradas, os quais, raramente, aparecem numa NVI. Isto revela falta de cuidado com a revisão de uma obra tão importante.

Eu sou intolerante com erros de português, mas o texto tinha tantos lapsos de concordância que eu cansava de ler. Às vezes eu queria encostar o livro num canto para respirar e contar até 10. Errar é humano, mas santa paciência!

Trecho da história de Moisés. Clique para ampliar.
Sugestões? Adotassem, de fato, uma versão bíblica. E fizessem uma revisão pesada e detalhada no texto para uma segunda edição – considerando o teor de “Bíblia”, a referência a uma versão hipoteticamente existente e moderna, e a contribuição com os leitores em fase de alfabetização (aprendi muito português com HQs da Turma da Mônica e da Disney, daí minha inquietação). A propósito, seria até melhor o mangá seguir a linguagem corrente da NVI e usar mais “você(s)” ao invés de “tu/vós”, porque a concordância é mais fácil e é muito usada pelos brasileiros.

Outros lapsos compreendem a confusão com alguns nomes e traduções. A cidade de “Midiã” é chamada de “Mídia”, e o pior que às vezes isso está até em negrito. Mas no mapa está correto. Isso gera certa discrepância entre o mapa e a fala de Moisés. Além disso, o mapa da página 146 tem uma frase não traduzida: “Ezra and Hehemiah’s returning exiles” (“A viagem de retorno de Esdras e Neemias”, em tradução livre).

Bom, críticas à parte, eu gostei da iniciativa de traduzirem "The Mangá Bible" para o português, como já disse. Recomendo-a a todos aqueles que gostam de HQs e da Bíblia. E para este volume eu dou uma nota 8. Os desenhos são muito legais, inclusive os mapas. Eu fiquei até pensando... E se saísse uma versão de “A Bíblia em Mangá” completa (como na versão em inglês), ampliada, com as devidas correções, colorida e em papel e encadernação de luxo? Ficaria mais-que-perfeita. (Só faltaria sonhar com a Bíblia em anime. E se esta já existir, e alguém souber, por favor me conte!)

Estou sendo honesto na minha apreciação, e enviando, por e-mail, uma cópia dela aos responsáveis. Pois creio que toda editora deseja melhorar suas publicações visando, também, à satisfação do leitor. Em breve publicarei a resenha referente ao volume do Novo Testamento.
____
* Mangá -- estilo oriental de histórias em quadrinhos, em que os personagens têm olhos grandes e expressivos, cabelos estilosos e aparecem em histórias de vários tipos, como dramáticas, de ação, policiais, fantásticas...)

Dados gerais da obra:
A Bíblia em Mangá – O Velho Testamento
Editora: JBC
Autor: AJINBAYO AKINSIKU & AKIN AKINSIKU
Ano: 2008
Edição: 1
Número de páginas: 168
Acabamento: Brochura

7 comentários:

Helen Araujo disse...

pow que maneiro cara!! Se eu estivesse trabalhando compraria com certeza. *-*

Helen Araujo disse...

Oie, Avelar! tava olhando tua listas de blog e vi que o meu tava la... só há um problema, é meu antigo blog, aquele eu exclui, se quiser adiciona esse aki. bju

Clamor de Salvação disse...

NVI? Sugiro que vc faça um estudo sobre a "maravilha" que é essa versão, depois que eu fiz isso só uso a Versão Corrigida Fiel ao texto original de Almeida - Sociedade Bíblica Trinitariana.

Avelar Jr. disse...

Amigo(a) Clamor,

Se você se refere a uma apostila gigantesca de acusações contra a NVI versículo por versículo, que foi lançada antes mesmo de sair a versão completa da Bíblia NVI em português - o que já retira metade da credibilidade dela, por críticar uma versão ainda inexistente em português - eu já a li, estudei e comparei.

Tempos atrás, eu tinha uma cópia impressa da tal apostila; cheguei a ficar assustado, triste com o que li. Mas ao contemplar, juntamente com outros irmãos em Cristo, críticas feitas à versão Corrigida da Trinitariana, pude contemplar que ela falha em muitas passagens diferentes nos mesmos "problemas" que a apostila que a defende aponta nas outras versões. Não vou dar exemplos.

Continuo olhando as versões antigas e modernas sem preconceitos e parcialidades, porque muitas críticas que vejo apontarem em algumas versões também são encontradas nas versões que defendem.

Resumindo: não há tradução perfeita e isenta de críticas. E nem por isso a gente se obriga a ler e entender as versões das línguas originais. Basta que deixemos de ser preconceituosos e que vejamos que muitas vezes apontamos tanto para o rabo dos outros que esquecemos que temos um. Aí sim é onde mora o perigo, pois quem está de pé veja que não caia.

A sua sugestão - agradeço mesmo a preocupação - veio atrasada mais de 10 anos, mas eu lhe volto a sugestão de que reveja o tema imparcialmente e procure se informar mais e de várias fontes. Foi o que eu fiz; e não me arrependo! Porque minha consciência não está à venda a editoras ou homens.

Forte abraço! :)

Avelar Jr. disse...

Clamor,

Completando:

Aconselho ainda ler este texto de minha autoria que fala sobre o assunto: http://nao-obrigado.blogspot.com/2010/01/aversao.html

Nossa igreja, na época da controvérsia da NVI, organizou um concílio para discutir o assunto na AIBRECE (Associação das Igrejas Batistas Regulares do Ceará). Resolveu, depois de estudar o tema, que não iria se posicionar contra as versões modernas, mas que fossem vistas com cautela. Achei bastante sensato, e a decisão foi unânime.

Mauricio disse...

olá, gostei muito do texto.
vc já conhece o "Messias Mangá"
publicado no Brasil pela Vida nova?
comprei e parece mesmo muito bom. li só o começo, mas percebi q é bem fiel...
todo colorido e de boa encadernação.
tem quase 300 páginas.
ab

Avelar Jr. disse...

Já vi na livraria, Maurício. Mas ainda não o li. Talvez, se alguém aqui me emprestar, eu faça uma resenha detalhada. Acho que vou perguntar aos pimpolhos da igreja quem tem para me emprestar. :D

Soube que são uma coleção de 5, cada um sobre uma parte da Bíblia (Gn-Ex., Profetas menores, Paulo...), mas o box sai caro: mais de 100 reais!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...