15 de março de 2010

Jesus, o “Gênio” do Marketing

Vendo TV e notícias na internet, logo constato que os programas e eventos organizados pelas igrejas estão ficando cada vez mais exóticos e excêntricos. Os apelos evangelísticos lançados ao proselitismo nos templos e nas ruas pelos novos pouco menos de 20% de evangélicos que ganhamos nos últimos anos têm mudado a cara da igreja cristã e rompido com os velhos paradigmas. 

Não consigo enxergar muita semelhança na mensagem e no modo de transmiti-la quando comparo as igrejas modernas com Jesus Cristo. O evangelismo acelera para a bancarrota total da apostasia, uma vez que tem buscado agradar e refletir mais os anseios egoístas dos homens do que a Deus e sua palavra.

Jesus era o fiasco do marketing. Ele era aquele que, a julgar pelas estratégias e métodos de propaganda e divulgação atuais, deveria ter sido o aluno esquisito, o irrritante, o do contra, o baderneiro do fundão da sala de aula – o irônico e politicamente incorreto. E o motivo é muito simples: enquanto as igrejas tentam propagar o evangelho tornando-o mais apetecível, cômodo, promissor e atraente para os seus “consumidores”, “usuários”, “espectadores” e “clientes”, Jesus fazia o contrário: ele praticamente “espantava” os aspirantes a seguidores valendo-se de desafios, dificuldades e exigências, fazendo com que muitos deles, especialmente os mais ambiciosos, tímidos, interesseiros e intransigentes desistissem antes mesmo de tentar segui-lo.

Ele era péssimo propagandista. Conseguiu arrebanhar, confundir e dispersar multidões, irritar autoridades, expor o verdadeiro caráter de seus contemporâneos, dividir uma religião e desprezar todas as demais (pondo-se como único camnho para Deus) e contrariar o mundo.

Ele estabeleceu uma nova ordem, apresentando-se como servo e como Deus: o Caminho, a Verdade e a Vida, o Salvador do Mundo: o que o distinguia de todos os outros que o antecederam. O Homem era uma dinamite implodindo o sistema. Conseguiu a proeza de, mesmo sendo muito carismático e acessível a todos, diminuir o número de seus seguidores de setenta e dois para doze, sendo que um deles, desde o princípio, era um joio do mal, e, mesmo assim, antiestrategicamente (em relação ao marketing), foi escolhido por ele, para tentar destrui-lo.

Jesus terminou sua vida terrena numa cruz, deixado por quase todos os que o seguiam, exceto alguns de seus discípulos, sofrendo vexame e sevícias, abandonado até mesmo por Deus – tudo por causa do nosso pecado.

Ele afirmava pregar um tal “evangelho”, o qual tornou-se obsoleto e desprezível para uma multidão controvertida que o afirma seguir hoje, a qual se denomina com a palavra que designava aquele ensinamento (“os da boa-notícia”), sem, entretanto, guardar identidade ideológica e prática com ela – antes contrariando-a, e perdendo, assim, o rumo e a essência da palavra do Senhor.

Ele não usava “jingles” nem “slogans” e apresentava os entraves à sua mensagem até mais enfaticamente do que as benesses prometidas; atraía pessoas de má-fama e censurava pessoas de boa fama; exigia mudança de vida e renúncia total, perfeição de caráter e de coração; exaltava os que passam por dificudades e lhes prometia a solução de seus problemas – mas não nesta vida, que lhes guaradava provações; garantia a todos que o seguissem que não seria fácil, que se conformassem com o pouco, que dependessem da fé em Deus, e, ainda assim, não permitia que se envergonhassem dele e que o negassem diante dos homens; falava de pecado, inferno, redenção, perdão, humildade e novidade de vida... E quem não quisesse deixar tudo para trás, incluindo a própria família, para ser seu discípulo, era julgado indigno: poderia dar meia-volta e ir embora. Jesus era categórico. Com ele não tinha nhe-nhe-nhém, oba-oba, moleza e nem mas.

Hoje algumas igrejas promovem lutas de boxe, de jiu-jitsu, espetáculos, campanhas de promessas de bênçãos monetárias, materialismo, curas instantâneas e sem comprovação,  centralização das pessoas em torno de uma casta de líderes de moral e princípios questionáveis, a supremacia do ego, a desimportância do arrependimento, a soberania absoluta e onipotente da fé na fé, o senhorio divino meramente professo, o discipulado da inquestionabilidade pastoral, a abolição do pensamento, o entorpecimento espiritual, a carnalidade do aprender, a maldade intrínseca do prazer, e, quando convém, o hedonismo disfarçado de cristianismo, alianças políticas escusas em busca do poder temporal, um deus subserviente, um salvador mosca-morta e um espírito de baderna, loucura e confusão, um diabo com atrbutos divinos e uma mensagem que agrega indivíduos a empresas de família com fachada de igreja, destinadas a enriquecimento ilícito de seus donos, cobertura de crimes e extorsão da fé alheia.

Toda esta cloaca humana, infelizmente, é chamada de “evangelho” hoje. E é divulgada como uma espécie de “commodities” de grife eclesiástica, utilizando-se do melhor (e do pior) que a ciência da propaganda pode fazer. Nada tão oposto ao que Jesus pretendeu.

Como eu dizia, Jesus implodia o sistema para fazer novas todas as coisas. Muitas “igrejas” apenas rebolam para se encaixar no obsoleto sistema mutante da moda humana, que, em breve, será conjugado no pretérito, para sempre, e relegado ao esquecimento eterno, porque já foi condenado e pregado na cruz pelo mais-que-perfeito Verbo Divino, o Autor da história.

6 comentários:

José Humberto N. Júnior disse...

Olá, dei uma lida nesse post e achei super-relevante! Definitivamente, o evangelho que Jesus pregava não é o evangelho que as mega-igrejas tem seguido e ensinado!! Bênção meu irmão.
Dê uma passada no meu blog depois e dê uma olhada: www.escrevendoavisao.blogspot.com

Estou te seguindo...
Abraço,
J.H.Júnior

Blogueiros Cristãos disse...

Parabéns Avelar. Muito boa a colocação.

Excelente texto que te re-classifica como um blogueiro cristão.

Lucas M Junior

Avelar Jr. disse...

Caros Lucas e José Humberto,

Obrigado pelos seus comentários ao blog. Fico feliz de saber que estamos todos juntos num só propósito de seguir a Cristo de verdade e de não permitir que a Sua mensagem se perca no tempo.

Grande abraço! :)

Alexandre Pitante disse...

Paz,

Parabéns, pelo seu trabalho neste blog. Que Deus em Cristo Jesus lhe continue abençoando poderosamente.

Estou seguindo o vosso blog.

Aproveito pra lhe convidar a visitar meu blog também. Avivamento pela Palavra é um blog voltado aos amantes da Bíblia sagrada como Verdade Absoluta e que só através Dela seremos mais crentes e mais cheios do Espirito Santo. Comente, pois seus comentários são muito importante para mim poder estar sempre em melhorias no meu blog.

http://www.alexandrepitante.blogspot.com/

Siga-nos também.

Fica com Deus.
Um abraço, Alexandre Pitante.

Charles A. Müller disse...

Paz, prezado Avelar, permita discordar, em parte. Jesus não era um fiasco de marketing, nem péssimo propagandista. A diferença entre Ele e certos “modernos cristãos” é que Ele era extremamente coerente e ético. Seu público-alvo era principalmente o povo perdido, inclusive os rejeitados pela sociedade “estabelecida”, justamente as pessoas com quem Ele mais falou. Sabia da simplicidade do povo (conhecia o alvo) e apresentava Sua mensagem de forma acessível (parábolas). Colhia resultados do “marketing viral” (quando chegava a uma cidade, a população local já sabia com antecedência e O esperava). Em menos de três anos (numa época sem mídia) Seu nome já era conhecido por todo o Oriente Médio e também em Roma (causando aflição nos poderosos). O objeto de Sua morte (a cruz) foi vencido e transformado no maior símbolo (ícone) que se tem conhecimento, mais do que qualquer marca consegue fazer.
Logo após a ressurreição de Jesus, o Evangelho começou a se propagar intensivamente, através dos discípulos. Jesus usou uma das mais profundas formas de propaganda: o ensino – preparou pessoas para dar continuidade à Sua mensagem. Os primeiros propagandistas (cristãos) usavam os meios disponíveis na época: as estradas do Império Romano, cartas e, principalmente, o boca-a-boca. Se na época existissem TV, rádio e Internet seriam usadas. Tanto é que, séculos depois, o primeiro grande trabalho de Gutenberg com sua Imprensa foi a reprodução da Bíblia (que impulsionou a mensagem reformista e tornou a Palavra acessível).
Concordo com você que existe muita apostasia na igreja contemporânea. E o marketing antiético é o irmão mais novo da apostasia. Contudo, o marketing ético (que não muda a mensagem para agradar a multidão) é ferramenta útil. Abraço.

Escrevi um artigo sobre isto: http://www.sitecharles.com/artigos/marketing-na-igreja

Avelar Jr. disse...

Fico muito agradecido pela sua visita e seu comentário, Charles. Um grade abraço e volte mais vezes. :)

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...